13 fevereiro 2013

Positivismo no Rio Grande do Sul: realização da "república"

A matéria abaixo é uma nota lembrando que o Positivismo no Rio Grande do Sul foi o responsável pela instilação de uma moralidade pública voltada para o bem comum, rejeitando a corrupção, a demagogia e a hipocrisia. Em outras palavras, o Positivismo buscou realizar efetivamente a república, em um regime de liberdades.

Matéria publicada no "Jornal do Comércio", de Porto Alegre, em 7.2.2013. O vínculo original encontra-se aqui.

(A indicação dessa nota foi cortesia de meu amigo Afrânio Cappeli, positivista gaúcho e mantenedor do blogue PositivismoRS.)

*   *   *


Bons tempos
Érik Ultrecht
Em um tempo não muito distante, existia no Estado uma política feita com honra e honestidade. O Rio Grande do Sul teve uma experiência, até bem sucedida, de ser governado por homens que se inspiravam na doutrina e religião positivista de Augusto Comte, que primava pela beleza de uma sociedade livre dos maus exemplos de corrupção, injustiça, preconceito e ódio. É claro que alguns atos de alguns homens daquela época foram reprováveis, como mortes e perseguições injustas, mas essas coisas também ocorrem nos dias de hoje para satisfazer interesses. Naquela época, a maioria dos homens que ocupavam o poder se sentia honrada em fazer política e eram honestos em suas ações, porque no passado os políticos honravam o seu ideal, o seu partido e a sua família.

Aqueles homens, influenciados pelo positivismo, construíram um Estado forte com políticos sérios, interessados no melhor para o Rio Grande e não para eles. Na virada do século 19 e nas primeiras décadas do século 20, políticos que estavam no poder e na oposição disputavam, muitas vezes com derramamento de sangue, a honra de fazer política em nosso Estado. Os chimangos e maragatos, positivistas e federalistas do passado, queriam colocar seus nomes na história do Estado, buscavam unicamente a honra de governar. Hoje, nossos políticos querem unicamente a fama e a riqueza, esqueceram-se dos lemas “viver às claras” e “viver para outrem”, que norteavam as ações dos políticos do passado, em especial dos positivistas que governaram este Estado para o povo com responsabilidade. Aqueles eram bons tempos, que talvez não voltem mais.

Administrador de empresas

Nenhum comentário: