02 abril 2020

Ângelo Torres: publicação de "O léxico de Augusto Comte"

A Editora Poiesis publicou no dia 31.3 o livro O léxico de Augusto Comte - criptografia e filosofia, de autoria de Ângelo Torres. A obra corresponde à dissertação de mestrado do autor, defendida na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) em 1997; para essa publicação, manteve-se a formatação original do autor, que faleceu em janeiro de 2019, com quase 92 anos. 

Assim, a publicação contém um prefácio - que, por sua vez, inclui uma pequena autobiografia de Ângelo Torres - e notas de rodapé com a tradução das inúmeras citações em francês e inglês; além disso, o autor previa a inclusão de vários anexos, a maioria dos quais foi incluída (não todos, pois alguns eram extensos índices temáticos, remissivos e onomásticos, cuja publicação era impraticável).

O livro está disponível para venda na Amazon (aqui).

No livro Ângelo Torres dedica-se a examinar - e a explicar - várias características do altamente espefícico estilo de redação do fundador da Religião da Humanidade e do Positivismo, Augusto Comte (1798-1857). A partir disso, Torres examina vários aspectos da filosofia política de Comte, indicando como é que as dificuldades lexicais introduzem importantes camadas de incompreensão em uma filosofia que é profundamente libertária, humana e inclusiva.

Fonte: https://www.amazon.com.br/l%C3%A9xico-Augusto-Comte-criptografia-filosofia-ebook/dp/B08697GDF6/

10 março 2020

David Carneiro: "Veralinda", uma novela positivista

Reproduzo abaixo a novela Veralinda, publicada em 1948 pelo grande positivista paranaense, o historiador, professor e filósofo David Carneiro (1904-1990). Esse livrinho é uma completa raridade editorial, de modo que mais que se justifica a sua divulgação neste blogue.

Essa pequena preciosidade literária foi-me cedida graças à generosidade de meu amigo e correligionário Hernani Gomes da Costa. Aliás, é do próprio Hernani a observação de que Veralinda é um romance positivista!



















Foto do sr. Paul Thomas, neto adotivo de A. Comte

Abaixo está a foto do sr. Paul Thomas; ele era filho de Sofia Bliaux Thomas. Sofia Thomas era empregada doméstica de Augusto Comte; após alguns anos trabalhando para o fundador do Positivismo e da Religião da Humanidade, o filósofo decidiu adotá-la, isto é, ad-rogá-la; assim, Paul Thomas acabou sendo um dos netos adotivos de Comte.

Essa foto foi obtida graças à generosidade de meu amigo e correligionário Hernani Gomes da Costa.




Abaixo está uma foto da efígie de Sofia Thomas no cemitério Père Lachaise.




Foto de Leo Reynalds, tirada em 19.6.2006; fonte: https://www.flickr.com/photos/lwr/311286089/in/photostream/

Foto do túmulo de Augusto Comte no Père Lachaise

Abaixo está uma foto do túmulo de Augusto Comte no famoso cemitério parisiense Père Lachaise. O túmulo do fundador do Positivismo e da Religião da Humanidade é o que está na parte de baixo e no centro da foto, com uma grade com várias barras e uma lápide branca com topo arredondado.

Essa foto foi tirada em 1952 pelo positivista gaúcho Carlos Torres Gonçalves (1875-1974). Ela foi obtida graças à generosidade de meu amigo e correligionário Hernani Gomes da Costa.



Foto de Nísia Floresta Brasileira Augusta

Abaixo está uma foto da sra. Nísia Floresta Brasileira Augusta, pseudônimo de Dionísia Gonçalves Pinto (1810-1885). Ela era uma educadora do Rio Grande do Norte que se mudou para a Europa e, em Paris, tomou contato com Augusto Comte, trocando correspondência com o fundador do Positivismo e da Religião da Humanidade e sendo considerada por ele como "sua digna discípula brasileira"; quando Augusto Comte faleceu em 1857, Nísia Floresta esteve no enterro.

Além de educadora, Nísia Floresta é considerada uma das precursoras do feminismo no Brasil e, como nota Ivan Lins em seu gigantesco História do Positivismo no Brasil (disponível aqui e aqui), ela integra o panteão positivista brasileiro tanto quanto o francês.

Essa foto foi obtida graças à generosidade de meu amigo e correligionário Hernani Gomes da Costa.



Foto do dr. Robinet

Abaixo está uma foto do dr. Jean-François Eugène Robinet (1825-1899); ele foi médico e executor-testamenteiro de Augusto Comte e autor de inúmeras biografias de Augusto Comte, Condorcet e Danton. Aliás, no que se refere a Condorcet e a Danton, ele foi o grande responsável pela manutenção da memória histórica da atuação política desses dois grandes líderes. Além disso, republicano (afinal, era positivista), teve participação ativa na Comuna de Paris (1871).

Não possuo dados sobre a data em que a foto foi tirada, nem o lugar, nem por quem; entretanto, é seguro afirmar que foi tirada na década de 1890, haja vista o dr. Robinet já ser idoso nessa gravura.

Essa foto foi obtida graças à generosidade de meu amigo e correligionário Hernani Gomes da Costa.



24 fevereiro 2020

Hernani Gomes da Costa: "Comentários a 'O momento comtiano'"

Comentários a O momento comtiano – República e Política no Pensamento de Augusto Comte, de Gustavo Biscaia de Lacerda

Hernani Gomes da Costa 

Desejo expressar aqui toda a minha satisfação pela recente leitura que fiz d’O momento comtiano, elaborado pelo meu amigo Gustavo Biscaia de Lacerda (e por ele defendido inicialmente como tese de doutorado há uma década) em 2010.



Se algum valor especial deve-se dar aos comentários de quem por cinco anos realizou as conferências dominicais no Templo da Humanidade (e de quem por 14 anos – desde 1986 até 2000 – envolveu-se nas alegrias e sobretudo nos dissabores daqueles que vieram a ser os últimos anos de vida do movimento positivista no Rio de Janeiro) então, não parecerão deslocados os meus esforços para, de novo tentar sorrir em gratidão àquilo que eu só posso chamar de um verdadeiro ACONTECIMENTO.

Com efeito, por tudo quanto me foi dado compreender do ideário político do positivismo, eu penso que seja a partir dessa obra, que o exame de tal programa alcançou enfim – entre nós e no resto do mundo – sua plena maturidade; com toda a liberdade e responsabilidade que tal maturidade encerra.

Ela alcançará, estou certo, um merecido lugar de destaque junto às seletas produções intelectuais que, embora vindas do meio acadêmico e a ele destinadas, obtiveram pela força irresistível de seu encanto, de sua verdade, de sua utilidade – e mesmo de sua incidental beleza – um destino bem maior que o comportável por aquelas estreitas e, por vezes, tão mesquinhas fronteiras.

Eu diria mesmo que tornou-se hoje IMPOSSÍVEL realizar-se um exame vasto e profundo da TOTALIDADE das concepções políticas do fundador da sociologia[1] sem uma longa estadia em suas páginas. Mais do que uma obra de referência ela se firmará, pois, como uma sorte de crivo para discernir – dentre a nova safra de comentadores do positivismo – os honestos e competentes, dos que não o são. E a julgar pela felicidade com que o autor soube esgotar seu tema, eu acrescentaria que ele conseguiu – decerto sem o desejar e disso suspeitar – não só tornar por muito tempo desnecessárias quaisquer outras produções que no mesmo sentido ainda venham a ser tentadas; quanto – ousaria dizê-lo – permitir ao leitor dispensar-se (se assim o desejar) de um contato direto com a grande obra sociológica de Comte, ao menos para tudo quanto refira-se especificamente aos ideais políticos do positivismo.

Até aqui, os comentários sobre as idéias de Comte padeceram sob o jugo de dois graves estorvos: considerando-se que sua obra capital (A Política Positiva) ainda não existe em português, os pretendentes a comentadores que não dominam seu idioma original (mas que ainda assim insistem em tomar o positivismo como alvo de suas especulações) acabarão cedo ou tarde frente a um dilema. Ou eles necessitarão buscar como fontes primárias, textos que por sua ortodoxia estejam a salvo de qualquer suspeita quanto a não espelharem o mais fielmente os reais pontos de vista de Comte – e então NÃO HAVERÁ ALTERNATIVA senão destilarem – das mais de quinhentas publicações do Apostolado Positivista do Brasil – a quintessência da doutrina; ou, então – se renunciarem a isto – precisarão adentrar, sem muito critério e mesmo sem maiores escrúpulos, num verdadeiro dédalo (por vezes sedutor, diga-se) de sinopses superficiais, condenatórias e truncadas, vindas das mais variadas linhas de pensamento, e de autores que estiveram bem longe de VIVER tudo quanto pretenderam criticar. Perdidos nesse labirinto e embriagados pelos muitos brilhos, matizes e contrastes de tais obras, os estudiosos não disporão de outro meio de se situar, senão guiando seu caminho por entre aquelas ditas “mais consagradas” o que, na verdade, seria o pior que poderiam fazer: longe de constituírem-se no que há de mais seguro sobre a vida e os escritos de Comte, elas costumam representar apenas um farto e desconexo lote de preconceitos e de mal entendidos a partir dos quais seus autores lançam-se a arrojadas extrapolações tanto mais desembaraçadas quanto mais inconsequentes, o que (além das graças naturais de um estilo brilhante) é tudo quanto basta para erguerem-se mais alto que suas congêneres mais modestas e menos desonestas.

Mas antes que me acusem de “vitimizar” o positivismo frente ao julgamento desses intérpretes oficiais do pensamento universal, apresso-me em dizer que tal situação não se restringe às idéias comtianas. Longe disso, confusões dessa natureza parecem ferir em maior ou menor grau a todos os filósofos, muito particularmente aos criadores de grandes sistemas largamente fundamentados em informações históricas e em fatos colhidos das ciências naturais. Assim, por exemplo (e apenas para citar um antagonista – igualmente sistemático – de Comte) eu estou certo de que a recente edição em cinquenta volumes, da obra completa de Marx haverá de deslindar outras tantas distorções semelhantes às ocorridas com o positivismo; distorções que não raro determinaram o pesado fardo de adesões a este (e ao materialismo dialético) por motivos opostos aos de tudo quanto uma e outra destas duas doutrinas sempre se propuseram como mais fundamental; e tendo como implicação direta disto a aproximação maciça a elas, de pessoas que apenas vieram desmentir na prática seus princípios em nome deles, e tanto mais, quanto mais prontificaram-se em louvá-los, justificá-los e aplicá-los à vida. Esta me parece, sobretudo hoje, uma dificuldade grave e generalizada; que inclusive ameaça abalar a estrutura do próprio ensino da filosofia, da história, da sociologia e da psicologia como um todo; dificuldade que tanto mais se aprofunda quanto mais fácil torna-se em aparência a comunicação humana, mediante os recursos que a internet quase nos obriga a utilizar.

Acrescente-se que a opção por comentar uma obra tomando-se por matéria-prima outros comentários (ao invés dos textos do próprio autor) não se deve apenas àqueles inconvenientes citados, mas a certos hábitos intelectuais que, por assim dizer, imperam no mundo acadêmico os quais persistiriam mesmo se todas as facilidades ao acesso dos textos originais lhes fossem oferecidas[2].

Chegamos até a pensar que não se deseja nunca aí, a que nós leitores fiquemos em igualdade de condições com os comentadores; e que, bem ao contrário, eles fazem de tudo para deixar claro o quanto julgam-se dispensados de nos fornecer os mais amplos trechos de suas vítimas, em abono ao que contra elas nos mostram como peças de acusação. E tudo quanto, na falta disso, nos oferecem por magra indenização é apenas uma fastidiosa bibliografia (que a rigor poderia desdobrar-se indefinidamente não nos dando, aliás, segurança alguma de haver sido lida) na qual as obras do autor apenas mereceram, quando muito, o duvidoso privilégio de aí constarem à parte e em primeiro lugar. Eis como é que a leitura de um comentário acadêmico vem se tornando cada vez mais o exercício de uma fé tão ingênua quanto mal investida.

E se completarmos esse quadro com o fato de que a tendência aí é a de só depositar confiança, e a de só creditar imparcialidade a opiniões oferecidas sob uma ótica desfavorável, teremos compreendido como foi que tantos trabalhos sem o menor valor teórico puderam impunemente ganhar fama e mesmo um número maior de edições que a própria obra original que souberam explorar, conquanto apresentassem críticas que um mero cotejo com estas tê-las-ia inutilizado. Tal é (para citar um exemplo típico disso que entre nós se tornou quase um gênero de literatura filosófica) um dos mais detestáveis livrecos já escritos sobre (?) as doutrinas comtianas e que consta de nada menos de dez edições: o volume 72 da coleção Primeiros Passos O que é o Positivismo, de João Ribeiro Jr.

Ora, da mesma forma como procedemos quando nos vemos acusados injustamente (quando então de pronto cobramos pelas devidas comprovações do que nos está sendo imputado) deveríamos também agir requerendo e mesmo EXIGINDO de um comentarista filosófico as provas cabais do que afirma; sob pena de cairmos vítimas (ou de nos entretermos) com calúnias. E que outra evidência maior poderia haver, nesse sentido, que uma boa coleção de trechos do próprio autor cujo pensamento se intenta apresentar? E como não ver como incompleto (para dizer o mínimo) um exame sem o próprio objeto do que é examinado?

No entanto, parece que a lógica torna-se bem outra quando o caso não nos toca diretamente e quando aquelas afirmações gratuitas são de uma natureza mais intelectual que moral: desde que não nos sejam oferecidas no calor das discussões (mas sob a distante e respeitável forma de livros, teses e comentários) e desde que os autores já tenham há muito falecido (como é o caso da maioria daqueles sobre os quais a crítica acadêmica recai) não podendo reivindicar direito algum de resposta, mesmo judicial; então não há limites à covardia, tudo torna-se válido e o crime perfeito. Descortina-se o campo da boataria inteiramente livre e desimpedido como em nenhum outro setor[3].

Eu devi insistir tanto sobre esse único ponto, tendo em vista que uma das diferenças mais flagrantes a quem apenas folheie O momento comtiano é o grande número de citações que o autor faz ao filósofo[4] fora e dentro do texto. Não há praticamente uma só página onde, para nosso conforto e segurança, não sejamos brindados com elas. Ora, se APENAS nesse único bom exemplo – se apenas nessa única lição – pudesse residir todo o legado desta obra, somente isso bastaria para muito elevar-se o nível geral dos textos acadêmicos no Brasil.

Aliás, com a exceção de um trabalho de natureza introdutória – A república positivista– do meu amigo Arthur Virmond de Lacerda; O momento comtiano, insisto, oferece COMO NENHUMA OUTRA obra sobre o ideário político de Comte essa preciosa garantia teórica: a de não haver JAMAIS resvalado em concluir algo que já não estivesse contido na generosa coleção de passagens do filósofo, num constante e tocante escrúpulo a que ambos os autores ativeram-se, a fim de não trair o pensamento de seu mestre comum, aplicando – já à elaboração mesma dos textos – a máxima positivista de que “todo progresso é o desenvolvimento da ordem correspondente”. Ora, são estas constantes citações que revestem – tanto O momento comtiano quanto (o que acabou por se tornar o seu natural prelúdio) A república positivista – dessa autoridade única; impossível, aliás, sob quaisquer outras circunstâncias.

Mas eu não devo limitar-me apenas ao impacto d’O momento comtiano junto ao mundo letrado. Se como exposição geral e teórica ele já se faz oportuno; são, por outro lado, esses nossos tempos nada comtianos que o tornaram, por assim dizer, indispensável. E se a exigência dos espíritos preocupados com os destinos humanos deve incliná-los a uma especial atenção aos grandes quadros de referência concebidos para o entendimento dos fenômenos sociais (e se é, inclusive, por conta dessas angústias, que devemos a invasão por vezes irritante às prateleiras das livrarias, de uma avalanche de todo tipo de obras de discussão político-ideológica) O momento comtiano oferecerá para além daqueles quadros teóricos mais difundidos – mas sempre como consequência da consistente adoção de UM deles – e para além daquelas apreensões e daquele caos de opiniões desencontradas; uma singular, enérgica e otimista resposta frente a urgências práticas de toda sorte.

Com estas páginas, o Brasil acha-se, enfim, munido de um instrumento (quase ia dizendo de uma arma) com a qual tornamo-nos capazes de entrar na arena desses confusos debates, confiantes do sucesso junto à tarefa tornada imperiosa de apresentar o positivismo pelo que ele verdadeiramente é; e COM ISSO desnudar todo o cinismo de um governo que profana as cores e a divisa da bandeira nacional até pervertê-las no seu exato inverso, invocando-as como se estas pudessem representar – ou ter alguma vez representado – uma espécie de subliminar convite à tirania.

Ora, se como eu espero, O momento comtiano alcançar a tempo todo o sucesso que merece (o que dependerá apenas de uma boa difusão) isso determinará inclusive a que esses fascistas vejam-se forçados doravante a combater o positivismo comtiano com uma ferocidade igual – senão maior – àquela com a qual dedicam-se a combater o que confusamente denominam “comunismo”, para maior honra de ambos os sistemas. Nós veremos então, como é que estes mesmos fascistas que tão camaleonicamente travestem-se de verde-e-amarelo e cujos discursos estão sempre tão transbordantes de “ordem e progresso” ver-se-ão forçados – tão logo sintam-se seguros de sua ALIANÇA PELO BRASIL – a arrancar da bandeira aquele lema, em prol de algum malsoante dístico teológico de última hora, ou mesmo de algum versículo bíblico ostensivamente teocrático; coisa que (eu não duvidaria) talvez já conste de um dos secretos itens da pauta desse “novo” partido.

Mas se uma obra tão inocente como O momento comtiano (inocente no sentido de não haver sido concebida para fins de polêmica) pode nos servir de modo tão eficaz como meio de luta, isso é algo a que devemos atribuir antes de tudo à sua natural universalidade. De fato, dentre seus muitos méritos paralelos, está o de nos oferecer a mais completa relação dos erros até hoje já alinhados contra o positivismo. Ora, são exatamente esses erros que, uma vez trazidos à luz e destruídos, desfazem de vez qualquer tentativa ignorante ou malévola de ressuscitar a falsa afinidade e o falso vínculo que se forjou entre o golpe de 1964 e o positivismo. Decerto O momento comtiano haverá de complicar bastante o ofício de todos que ainda imputam ao ideário comtiano o desastre político em que chafurdamos, o qual segundo nos querem fazer crer, não passaria de um híbrido teratológico entre o oportunismo evangélico da criatura que hoje habita o Palácio do Planalto – última dejeção gestada por aquele golpe – com o positivismo, representado iconograficamente pelas cores e pelo lema sociológico inscrito na bandeira nacional.

Assim, O momento comtiano é essa obra por excelência que nos ajudará como povo, a arrancar o véu verde-e-amarelo desse tenebroso personagem e de seu séquito, a fim de revelar quais são as suas verdadeiras cores, que aliás ninguém – talvez, no fundo, nem eles mesmos – saibam.

O momento comtiano auxiliará pois, não só a aprofundarem-se as opiniões dos simpatizantes da doutrina positivista (e dos que desejam estuda-la a sério) como a robustecer os ideais de todos que, fora dela, prezam a justiça histórica, a liberdade de ensino, as liberdades civis e de expressão, a laicidade do estado, a transparência da administração da coisa pública, a defesa das tradições, crenças, cultura e territórios indígenas, o internacionalismo, a fraternidade inter-racial, o congraçamento universal de todas as pátrias em torno da Humanidade (ao invés do “Brasil Acima de Tudo”, simples transposição do Deutschland Über Alles) a igualdade de oportunidades, a condenação do trabalho infantil e juvenil; dentre tantas outras grandes causas – todas, diga-se, tornadas em tempo real, tema de intervenção dos apóstolos positivistas Miguel Lemos e Teixeira Mendes – e todas, agora, sistematicamente afrontadas e ameaçadas pelo atual governo fascista.

Tendo sido vista a importância teórica e prática d’O momento comtiano, cumpre ainda uma última observação antes de comentarmos O momento comtiano capítulo a capítulo.

Será preciso agora tentar compreender as razões e o significado de não haver disposto o Brasil, até aqui, de textos dessa envergadura, embora a carência por algo assim já devesse ter sido sentida há muito. De fato, como entender essa lacuna, decerto involuntária, que acabou por se tornar desde a morte de Teixeira Mendes em 1927, um longo mutismo?

Penso que seria preciso ir buscar as raízes de tal fenômeno no próprio perfil psicológico de uma organização religiosa, e nas dificuldades especiais que estas encontram diante do NOVO, ou mesmo do simplesmente DIFERENTE.

Lembremo-nos que nem Miguel Lemos nem Teixeira Mendes desejaram realizar nada além de simples comentários episódicos sobre a doutrina que professavam. Tudo quanto propuseram-se a oferecer por escrito, resumiu-se a tentativas de aplicá-la (sem criticá-la ou mesmo aperfeiçoá-la) como articulistas atentos que eram da realidade nacional; ilustrando-a com fatos de seu próprio tempo e lugar considerados como de maior peso e repercussão social e política.

Outrossim, o que eles desejaram ACIMA DE TUDO com isso, foi estimular a que seus leitores voltassem suas atenções PARA A OBRA DE COMTE; obra que então, diga-se, ainda conseguia corresponder a algo mais legível do que hoje, quer devido às peculiaridades do estilo do filósofo (tornado cada vez mais distante daquele que acabou prevalecendo) quer à então maior popularidade da língua francesa entre nós.

Foi assim que – bem ou mal a propósito – os apóstolos decidiram-se POR PRINCÍPIO a evitar audaciosas expedições teóricas, na forma de longas TESES ou TRATADOS; coisa que seria, segundo criam, a usurpação de um trabalho genuinamente reservado aos efetivos críticos e aperfeiçoadores da doutrina (os sacerdotes da Humanidade). Duas únicas exceções a isso foram a Filosofia Química e as Últimas Concepções de Augusto Comte, ambas de autoria de Teixeira Mendes, correspondendo às duas únicas ocasiões em que optou-se por aquilo que, tornado frequente, teria de fato correspondido a uma verdadeira “tentação” a ser religiosamente evitada... Tentação a qual o meu amigo Gustavo teve o bom senso de sucumbir...

Assim quando os apóstolos faleceram, tudo quanto restou à Igreja além do vazio pela perda de dois dedicadíssimos propagadores, foi de um lado, uma tentativa canhestra de manter aquela tradição em apenas compor pequenos folhetos de ocasião e, de outro, uma espécie de preconceito contra quem sonhasse mais alto: “se NEM MESMO os apóstolos julgaram-se capazes de escrever tratados sociológicos... que diremos nós”...

Mas apesar de todo o virulento contágio com o qual aqueles limites auto impostos por Lemos e Mendes acabaram por involuntariamente paralisar a produção teórica de todo o grêmio da igreja, pode-se dizer que há mais aparência que verdade na afirmação de que jamais houve um tratado sociológico positivista entre nós: de fato, se rastrearmos com paciência o conjunto daquela vasta coleção apostólica decerto reaveremos (e mesmo recomporemos) a totalidade das teorias políticas do positivismo, representadas de pleno, e em seu mais puro estado; coisa que, porém, não se obterá jamais a não ser como o prêmio de contínuos, complicados e demorados esforços; aqueles mesmos, diga-se, que o PRIMEIRO TRATADO BRASILEIRO DE SOCIOLOCIA POSITIVA, o nosso MO(NU)MENTO COMTIANO vem hoje (afinal!) tornar inúteis...

Isto posto, passemos agora ao exame detido de cada um de seus capítulos.

(Continua.)



[1] Há uma crítica renitente, injusta e no fundo tola segundo a qual Comte não teria fundado a Sociologia porque não teria feito pesquisas sociológicas... evidentemente, para nós, isso é tolo, mas o que está subjacente é que Comte não teria feito pesquisa “com pranchetinha”, surveys. Ora, bastaria que se lesse os volumes 4 a 6 do Sistema de filosofia positiva ou 2 e 3 do Sistema de política positiva para saber-se o quanto isso é tolo; mas, ainda assim, esse preconceito existe e é largamente difundido. Uma caracterização (sem maiores esclarecimentos) de Comte como o criador de um sistema “abstrato” subrepticiamente pareceria apoiar essa tolice.

[2] Entre esses hábitos temos o excessivo espírito de detalhe e a cisão entre “científico” e “empírico”, de um lado, e o “filosófico” e “abstrato”, de outro. Ora, em Comte científico e empírico andam de mãos dadas com o filosófico e o abstrato, sem que seu sistema recaia em um desprezível “empiricismo”. Essa é, aliás, uma das suas principais características que o distanciam do academicismo e o tornam tão estranho aos hábitos acadêmicos. Quanto ao excessivo espírito de detalhe, vale notar que a Sociologia de Comte é a ciência geral da sociedade; as divisões acadêmicas atuais, tão sofregamente buscadas, entre Sociologia da Religião, da Política, Política, da Linguagem, histórica, institucional etc. etc. etc., além da Antropologia (vista como ciência à parte da Sociologia!) e da Ciência Política (vista como se tivesse existência autônoma em relação à Sociologia!) – todas essas divisões são vistas exatamente como divisões, em que o espírito analítico desenvolve-se sem freios e em que o caráter ao mesmo tempo social e histórico do ser humano perde-se radicalmente. A falta de eficácia social da Sociologia, entendida como ciência geral da sociedade, deve-se, aliás, em larga medida à sua fragmentação, à ciosa divisão acadêmica em dezenas de especializações. Desenvolvida por esse mesmo espírito analítico encontra-se também a Ciência Política cindida em “Ciência Política”, destinada à política interna, e “Relações Internacionais”, dedicada à política internacional. Aí é necessário criar modelos que consigam restabelecer a unidade da política e da sociedade, entre os âmbitos interno e externo. Ora, isso foi exatamente essa cisão o que Comte procurou evitar.

[3] Começamos mesmo a ver hoje, no cenário das discussões políticas, o reflexo direto de tal situação. Na prática a boataria filosófica e seus verdadeiros institutos para a produção e desenvolvimento de fofocas oficiais tornaram-se hoje um problema insolúvel. O contra-ataque a essas forças tão rápidas e numerosas exigiria não só um contingente semelhante de defensores, como o uso de estratégias eticamente questionáveis. À era dos falsos argumentos, representados pelos antigos sofistas, sucede-se hoje a era ainda mais odiosa e estúpida dos falsos fatos representados por robôs replicantes de Fake News.

[4] Embora em diversos momentos desses comentários eu devesse observar que Comte foi um filósofo, e que sua obra é filosófica, isso EM ABSOLUTO deve ser interpretado como uma forma de diminuir ou obscurecer o caráter sociológico e político de suas contribuições teóricas. Aliás, a universalidade do conhecimento teve em Comte o seu último verdadeiro cultor. E embora em sua época a separação entre “cientistas” e “filósofos” já estivesse bastante consagrada (não à toa Miguel Lemos criou em português a palavra “cientista”, na tradução do Apelo aos Conservadores), Comte faz considerações filosóficas sobre afirmações científicas tanto quanto, inversamente, considera do ponto de vista científico afirmações filosóficas. 

21 fevereiro 2020

Comparação entre Positivismo, direitas e esquerdas

Muito modestamente elaborei a tabela abaixo, em que apresento de maneira comparativa as vistas sócio-políticas do Positivismo e as concepções de direita e esquerda. 

Haja vista as confusões teóricas e práticas que reinam atualmente no Brasil - em que um governo de extrema-direita mantém o país em permanente estado de sobressalto, de polarização, de desrespeito sistemático à laicidade do Estado, à diversidade de opiniões, à liberdade de expressão e de pensamento, às minorias etc. -, o meu objetivo era esclarecer o que a "esquerda" e a "direita" consideram a respeito de vários conceitos sócio-políticos, aproveitando para expor as vistas positivistas (e demonstrar, por esse meio, que a oposição entre direita e esquerda é insatisfatória e insuficiente).

Mas é importante realçar um aspecto: esta tabela não é exaustiva nem cobre todas as possibilidades de política teórica e prática. Algumas amplas correntes e práticas foram deixadas de lado, como o populismo, o liberalismo e até o islamismo; por outro lado, no caso dos católicos, eles poderiam perfeitamente ser incluídos em outras categorias que não a centro-direita, indo desde a esquerda até a direita ou a extrema direita. O objetivo da tabela é apenas oferecer um quadro sinóptico para que se possa fazer algumas comparações básicas.

Após a tabela incluí referências bibliográficas sumárias, para quem tiver interesse e curiosidade.

*   *   *


Resumo das perspectivas do Positivismo em face das correntes político-intelectuais contemporâneas

Conceito
Positivismo
Extrema-esquerda (comunismo)
Esquerda
(socialismo)
Centro-esquerda (social-democracia)
Centro
Centro-direita (conservadores “britânicos”, católicos)
Direita (neoliberais, evangélicos)
Extrema-direita (nazismo, fascismo)
1) Ordem
Fundamento e garantia do progresso
Não tem valor por si só (deve ser mantida com vistas ao progresso)
Elementos comuns a todas as sociedades (família, propriedade, linguagem, religião, governo)
A ordem burguesa, como é opressora, deve ser destruída
A exploração econômica gera a dominação política
A ordem comunista é redentora da humanidade
A ordem burguesa, como é opressora, deve ser destruída
A exploração econômica gera a dominação política
O Estado exerce um papel central ao regular a economia e prover serviços sócio-econômicos
Supostamente há espaço para liberdades individuais

A ordem é um equilíbrio entre a dinâmica social e a ação político-econômica estatal
A sociedade é capitalista (propriedade privada) e as liberdades são valorizadas
O Estado exerce um papel central ao regular a economia e prover serviços sócio-econômicos
Entendida como estabilidade política e social
Valor importante, mas não é sagrado: pode ser modificada, dependendo dos acertos políticos, na direção da direita ou da esquerda
Valor fundamental e central
A ordem é estabelecida pela tradição e, por isso, é sagrada
Tem um caráter histórico e, eventualmente, transcendental
É um valor sagrado
Evangélicos: é um arranjo divino e deve satisfazer imperativos teológicos (bíblicos)
Neoliberais: a economia deve ser entregue a si mesma; a política (e o Estado) atrapalha e corrompe a ordem
É um valor sagrado
O capitalismo e o comunismo são inimigos
A nação é o valor supremo
O Estado é o responsável pela criação e manutenção de uma ordem pura em termos raciais, sociais e políticos
Imigrantes, outras raças, outras ideologias devem ser combatidos e/ou dizimados
2) Progresso
Desenvolvimento da ordem fundamental
Baseia-se na ordem
Realização da harmonia humana (social e individual)
Desenvolvimento (harmônico) das forças humanas (individuais e sociais; afetivas, intelectuais e práticas)
Aprofundamento da igualdade
Fortalecimento das pátrias comunistas
Enfraquecimento e extinção das pátrias não-comunistas
Aprofundamento da igualdade
Valor central
Aprofundamento da igualdade
Valor central
Combate à dinâmica social própria ao capitalismo
Basicamente, indefinido
Desenvolvimento da ordem
Realizado conforme os desígnios do grupo no poder
Valor a ser combatido se for na direção da igualdade
Católicos: o progresso é real e legítimo se for a realização da ordem divina e tradicional
“Britânicos”: em pequenas doses, é aceitável (entendido como mudanças sócio-institucionais); de modo geral rejeita mudanças planejadas
Neoliberais: é um valor legítimo, se for o desenvolvimento da ordem capitalista (às vezes é a “destruição criadora”); vêem com grande desconfiança as mudanças planejadas
Evangélicos: é a realização da teocracia (em moldes calvinistas)
Afirmação da nação
Se o progresso for o conceito esquerdista, deve ser combatido ferozmente
3) Tradição
Não tem valor em si mesma
O mais das vezes, é uma concepção absoluta da historicidade e da ordem
Concepção positiva da tradição: legado moral e material do passado para o presente, que deve ser respeitado e, na medida do possível, preservado, mas que não é imodificável e que sofre alterações de acordo com as leis dos três estados
Obstáculo ao progresso
Ideologia burguesa ou feudal com vistas à dominação e à exploração do proletariado
Obstáculo ao progresso
Ideologia burguesa ou feudal com vistas à dominação e à exploração do proletariado
Basicamente, obstáculo ao progresso
Redes sociais tradicionais podem apoiar a ordem social-democrata
Em linhas gerais, é favorável à tradição
As relações políticas tradicionais são valorizadas
Em termos sócio-econômicos, depende do grupo que está no poder
Valor fundamental, quase indistinguível da ordem
Católicos: a tradição é o resultado da ação multissecular da igreja
“Britânicos”: é o resultado do “tribunal da história” e, por tentativa e erro, junta empiricamente o que é “bom” e “correto”
Neoliberais: a tradição de valores e estruturas sociais é inimiga do progresso capitalista
Neoliberais: as relações tradicionais de confiança são a base da sociedade e do progresso
Evangélicos: se referir-se à própria seita, é sempre sagrada; se referir-se a qualquer outra coisa, é detestável e deve ser combatida
É encarada de maneira romântica e saudosista
A tradição criada e idealizada é o fundamento ideológico da ordem social
4) Passado
Conjunto dos antecedentes sociais, morais, intelectuais e afetivos
O passado é a base e o guia para o futuro, mas o futuro não se resume nem se limita ao passado
Conjunto das condições sociais que permitem a realização do comunismo
“Peso que oprime o cérebro dos vivos” (Marx)
Conjunto dos antecedentes próprios ao comunismo
Conjunto das condições sociais que permitem a realização do socialismo
“Peso que oprime o cérebro dos vivos” (Marx)
Conjunto dos antecedentes próprios ao socialismo
Conjunto das condições sociais que permitem a realização do Welfare
Conjunto dos antecedentes próprios ao Welfare
Conjunto da história social e individual
Mobilizável de acordo com o grupo que está no poder
É o fundamento da tradição
Neoliberais: conjunto das condições que conduzem ao capitalismo; fora isso, deve ser constantemente revolucionado
Evangélicos: se for da própria seita, é sempre glorioso; se for dos outros, é detestável
É romantizado e, assim, glorificado
Apresenta a história da nação, passando pelas quedas e pelas ascensões
5) Liberdade de pensamento
Fundamento inescapável da política positiva
A liberdade absoluta de pensamento é um conceito metafísico, que rejeita qualquer disciplina mental
Deve ocorrer a rigorosa separação entre igrejas e Estado
Não existe, exceto para o que o Estado permite
Nos países não-comunistas: deve ser incentivada ao máximo, para que ocorra a revolução do proletariado (Lênin, Stálin)
A cultura deve ser instrumentalizada para difusão do comunismo (Gramsci)
Existe e é garantida pelas leis
Existe e é garantida pelas leis
Existe e é garantida pelas leis
Católicos: é limitada ao que se considera tradicional e, portanto, aceitável
“Britânicos”: valor sócio-político fundamental
Neoliberais: existe e é garantida pelas leis (eventuais exceções quanto ao comunismo e ao nazismo)
Evangélicos: se referir-se ao próprio dogma, é válida; qualquer outra forma de pensamento deve ser combatida ou convertida
Não existe, exceto para o que o Estado permite
A cultura deve ser instrumentalizada para difusão do fascismo (Goebbels, Mussolini)
6) Liberdade de expressão
Fundamento da política positiva e conseqüência da liberdade de pensamento
Deve-se garantir a liberdade de expressão a todas as concepções
Não existe, exceto para o que o Estado permite
Nos países não-comunistas: deve ser incentivada ao máximo, para que ocorra a revolução do proletariado (Lênin, Stálin)
A cultura deve ser instrumentalizada para difusão do comunismo (Gramsci)
O Estado impõe o ateísmo
Existe e é garantida pelas leis
Existe e é garantida pelas leis
Existe e é garantida pelas leis
Católicos: é limitada ao que se considera tradicional e, portanto, aceitável
“Britânicos”: valor sócio-político fundamental
Neoliberais: existe e é garantida pelas leis (eventuais exceções quanto ao comunismo e ao nazismo)
Evangélicos: se referir-se ao próprio dogma, é válida; qualquer outra forma de pensamento deve ser combatida ou convertida
Não existe, exceto para o que o Estado permite
A cultura deve ser instrumentalizada para difusão do fascismo (Goebbels, Mussolini)
7) Família
Célula da sociedade
Núcleo do desenvolvimento afetivo
Deve ser consagrada para ser regulada pela pátria (associação prática) e pela Humanidade (associação intelectual)
Foco de conservadorismo, reacionarismo e tradicionalismo
Permanece sob estreita vigilância do Estado e da sua polícia política
Os laços familiares não são respeitados
Em determinadas conjunturas pode ser valorizada (formação de mão de obra)
Célula da sociedade
Núcleo do desenvolvimento afetivo
Célula da sociedade
Núcleo do desenvolvimento afetivo
Célula da sociedade
Núcleo do desenvolvimento afetivo
As relações familiares constituem parte importante da sociabilidade política de centro (clientelismo, filhotismo, apadrinhamento)
Célula da sociedade
Núcleo do desenvolvimento afetivo
Eventualmente, tem que ser defendida da ação do Estado
Neoliberais: é a formadora de indivíduos, que são os “agentes econômicos” por definição
Evangélicos: é o âmbito social sagrado e inamovível, lugar da autoridade (“despótica”) do pai/marido sobre filhos/esposa

É o âmbito social sagrado, lugar da autoridade (“despótica”) do pai/marido sobre filhos/esposa
É a relação social que existe logo abaixo da nação, isto é, do Estado
8) Pátria
Associação prática dos seres humanos
Realidade política básica; exerce a autoridade em um determinado território
Devem ser de tamanho reduzido, para que os vínculos morais desenvolvam-se
A soberania absoluta é uma ficção metafísica
Deve ser consagrada para ser regulada
O multilateralismo, o internacionalismo respeitador das pátrias e as mediações devem ser incentivados
Sede da revolução comunista
Devem ser abolidas quando o comunismo triunfar no mundo todo
Em países não-comunistas: grau máximo de associação humana e entendidas como sede da xenofobia, do imperialismo e do nacionalismo
Realidade política básica; nela o Estado exerce a autoridade em um determinado território
O multilateralismo, o internacionalismo respeitador das pátrias e as mediações devem ser incentivados
Eventualmente, podem ser abolidas quando o socialismo triunfar no mundo todo
Realidade política básica; exerce a autoridade em um determinado território
O multilateralismo, o internacionalismo respeitador das pátrias e as mediações devem ser incentivados
Realidade política básica; exerce a autoridade em um determinado território
Realidade política básica; exerce a autoridade em um determinado território
Católicos: o poder político deve submeter-se ao poder (espiritual, quando não material) da igreja e do papa
Realidade política básica; exerce a autoridade em um determinado território
Neoliberais: o Estado é um estorvo, um mal tristemente necessário
Evangélicos: o poder político deve submeter-se ao poder da igreja
Valor supremo
O internacionalismo e o multilateralismo são vistos como crimes de lesa-pátria e como conspirações dos “inimigos”
9) Humanidade
Resumo da Religião da Humanidade
Como sinônimo de igreja: associação de caráter intelectual, de âmbito mundial
Conjunto dos seres humanos convergentes, passados, futuros e presentes
Concepção resultante de uma longa evolução histórica
Concepção relativa, altruísta e includente
Outro nome dado ao conjunto do proletariado, após a revolução comunista e a extinção (física e social) da burguesia
Associação de indivíduos atomizados, sem a existência de pátrias nem de igrejas
Fora do âmbito do comunismo: ideologia burguesa e/ou concepção nefelibata
Outro nome dado ao conjunto do proletariado, às vezes se estendendo ao conjunto das sociedades (e das classes)
Outro nome dado ao conjunto do proletariado, às vezes se estendendo ao conjunto das sociedades (e das classes)
Designação genérica do conjunto de seres humanos e de países
Eventualmente apresenta caráter histórico
Designação genérica do conjunto de seres humanos e de países
Eventualmente apresenta caráter histórico
Designação genérica do conjunto de seres humanos e de países
Eventualmente apresenta caráter histórico
Neoliberais: conjunto de agentes econômicos
Evangélicos: conjunto de crentes e de pessoas a serem convertidas
Refere-se exclusivamente à população do próprio país
10)         Religião
Conjunto de concepções e práticas que visam a regular a vida humana, com vistas à harmonia social e individual
Como qualquer concepção humana, passa pelos três estágios (teológico, metafísico e positivo)
A Religião da Humanidade é uma religião positiva
Sinônimo de teologia e, por derivação, de igreja
“A religião é o ópio do povo” (Marx)
Deve ser combatida
A prevalência de religiões em países é justificativa para guerras com esses países
Sinônimo de teologia e, por derivação, de igreja
“A religião é o ópio do povo” (Marx)
Em princípio, deve-se respeitar as crenças individuais e, se for o caso, as institucionais
Pode resultar, devido a questões institucionais e dogmáticas, em conflitos entre o Estado e a(s) igreja(s)
Sinônimo de teologia e, por derivação, de igreja
Deve-se respeitar as crenças individuais e, se for o caso, as institucionais
Acomodação com as igrejas
É importante apenas como fundamento do Welfare (e, portanto, submete-se a considerações utilitário-político-econômicas)
Sinônimo de teologia e, por derivação, de igreja
Acomodação com as igrejas
Dependendo da relação com quem está no poder: apoio às igrejas e suas doutrinas

Sinônimo de teologia e, por derivação, de igreja
“Britânicos”: acomodação com as igrejas; aceitação de religião de Estado
Católicos: igreja separada do mas superior ao Estado

Sinônimo de teologia e, por derivação, de igreja
Acomodação com as igrejas
Estímulo à “teologia da prosperidade”
Evangélicos: valor sagrado e supremo

Sinônimo de teologia e, por derivação, de igreja
Transformação do culto à pátria em um rival institucional e dogmático às igrejas tradicionais
11)         Propriedade
A propriedade privada é um dos fundamentos da ordem social
Para surtir seus efeitos, a riqueza deve ser concentrada até o limite da responsabilidade individual
A função da riqueza é alimentar o conjunto da sociedade
Os proletários devem ser “pobres” (isto é, não ricos); devem ter casa própria e ser capazes de alimentar esposa, filhos e avós
Os proletários devem ser donos dos instrumentos individuais de trabalho
Assim, a propriedade privada não é um conceito absoluto
Deve ser consagrada para ser regulada
A origem da propriedade é social e sua destinação tem que ser social
A riqueza é entendida como força social concentrada (o trabalho é a força dispersa)
A solução dos problemas da riqueza consiste em sua regulação social, não em sua destruição e/ou extinção
A propriedade privada é vista como absoluta, com vistas à dominação e à exploração burguesa
Para combater a propriedade privada, o Estado comunista deve instituir a propriedade “coletiva” (estatal) dos “meios de produção”
A via para tal mudança é violenta, pela força, de cima para baixo
As famílias podem ter objetos de uso pessoal
A riqueza é vista como o fundamento das desigualdades humanas
A propriedade privada é vista como absoluta, com vistas à dominação e à exploração burguesa
Para combater a propriedade privada, o Estado comunista deve instituir a propriedade “coletiva” (estatal) dos “meios de produção”
A via para tal mudança é pacífica e eleitoral
As empresas privadas, todavia, continuam existindo
A riqueza é vista como o fundamento das desigualdades humanas
Os impostos são altos
A propriedade privada é vista como relativa e submetida à regulação estatal
Para combater a propriedade privada, o Estado comunista deve instituir a propriedade “coletiva” (estatal) dos “meios de produção”
Muitos serviços e bens são fabricados e providos pelo Estado
A via para tal mudança é pacífica e eleitoral
As empresas privadas, todavia, continuam existindo
A riqueza é vista como o fundamento das desigualdades humanas
Os impostos são altos
A propriedade privada é vista como absoluta
Todavia, dependendo de quem está no poder, pode-se considerar a propriedade como relativa (em particular a propriedade alheia)
O nível de impostos varia de acordo com o grupo que está no poder
“Britânicos”: a propriedade privada é vista como absoluta e constituinte da natureza íntima de cada indivíduo (juntamente com a liberdade)
Católicos: a propriedade privada é vista como relativa, dependendo da ordem eclesiástica e do papa reinante; os bens da igreja são sagrados
Os impostos são os mais baixos possíveis
A propriedade privada é vista como absoluta
Evangélicos: a riqueza é a prova da eleição divina, no neocalvinismo da “teologia da prosperidade”
Neoliberais: a riqueza é um valor fundamental e deve ser perseguida (“vícios privados, virtudes públicas”)
Ambigüidade a respeito da propriedade e da riqueza: em princípio são absolutas, mas o Estado pode interferir e regulá-las, além de ter empresas estatais
A riqueza “capitalista” (ou comunista) é opressora; a riqueza “nacionalista” é libertadora
12)         Governo temporal
Gestor dos conflitos de classe
Responsável pela manutenção da ordem social, com vistas à realização do progresso
Deve abster-se rigorosamente de ser um governo espiritual
Deve garantir as liberdades públicas, especialmente as de pensamento, expressão e associação
Deve ser consagrado para ser regulado
Nos países capitalistas: mantenedor da dominação burguesa e da exploração do proletariado
Responsável pela realização e pela manutenção da revolução comunista
Gestor da propriedade coletiva
Quando a revolução comunista ocorrer em nível mundial, os estados devem ser extintos
Órgão do proletariado como classe (contra a burguesia)
Impõe o ateísmo como doutrina de Estado
Gestor dos conflitos de classe
Gestor de determinadas produções de bens e serviços
Regulador das relações sociais
Regulado pelo Estado de Direito
Gestor dos conflitos de classe
Gestor de determinadas produções de bens e serviços
Regulador das relações sociais
Regulado pelo Estado de Direito
Gestor dos conflitos de classe
Regulador das relações sociais
Regulado pelo Estado de Direito
Gestor dos conflitos de classe
Regulador das relações sociais
Regulado pelo Estado de Direito
“Britânicos”: garantidor das liberdades e da propriedade; respeitador das tradições
Católicos: deve submeter-se moral e politicamente à igreja e ao papa
Neoliberais: provedor de bens e serviços mínimos (polícia, moeda, justiça, padrões de pesos e medidas; em casos de pobreza extrema: auxílio financeiro)
Evangélicos: órgão de promoção da crença de cada seita; promotor da censura e da polícia de costumes
Órgão por excelência da vontade nacional
Deve ser entendido como sendo, em si, uma instituição moral
O desrespeito ao Estado é um desrespeito à nação
A vontade do Estado está acima do comum dos indivíduos
13)         Governo espiritual
Responsável pela constituição e expressão da opinião pública
Organizado em igrejas, com sacerdócios
Regulador das idéias e dos valores
Responsável pela consagração e pela regulação das famílias, das pátrias, dos indivíduos, do poder político e da riqueza
Deve manter-se escrupulosamente separado do governo temporal
Sua importância em face do poder temporal dá a medida da moralidade, do altruísmo e do pacifismo de uma sociedade e, portanto, de seu progresso
Constituído em um sacerdócio transnacional
O primado político cabe ao poder Temporal, não ao Espiritual
Ambigüidade: por um lado, as crenças são derivações das relações de produção; por outro lado, são instrumentos de dominação (da burguesia) ou de afirmação (do proletariado)
Nos países capitalistas, as igrejas são os órgãos de manutenção da religião, que é o “ópio do povo” (ideologia da exploração e da dominação do proletariado)
Nos países comunistas, o governo espiritual confunde-se e realiza-se por meio do Estado e do partido comunista
Deve realizar-se por meio de professores e filósofos
As igrejas (teológicas) eventualmente podem ser obstáculos ao socialismo e, por isso, são combatidas politicamente
Pode apoiar o governo em termos políticos, sociais e morais
Com frequência baseia-se no poder Espiritual e/ou extrai dele seus quadros
Tem uma tradição de apoio, estímulo, submissão
Aceitam e promovem a religião de Estado
Católicos: o Estado deve submeter-se à igreja e ao papa; seu sacerdócio tem caráter transnacional
Neoliberais: não reconhecem poder Espiritual, na medida em que são rigorosamente materialistas; entretanto, é necessário haver valores de respeito, confiança mútua, individualismo
Evangélicos: o único poder Espiritual é o da própria seita; todos os demais devem ser combatidos e/ou convertidos; o Estado deve estar a serviço da seita
O único poder Espiritual aceitável é o originário do Estado e por ele legitimado
Fontes independentes de poder Espiritual são vistas com desconfiança e como (potenciais) inimigos
14)         Paz
Resultado e condição da harmonia social e individual
Resultado da evolução histórica das sociedades
Internamente: os conflitos sociais devem ser evitados, controlados, dirigidos e aproveitados
Externamente: os conflitos entre países devem ser solucionados sempre via mediação
Os governos temporal e espiritual devem empenhar-se ativamente em manter e em obter a paz
O poder Espiritual deve ser o grande regulador e mediador dos conflitos sociais
A verdadeira paz só é possível quando o comunismo triunfar em nível mundial
Entre os países capitalistas, é sempre um equilíbrio temporário entre as potências imperialistas
Os países capitalistas querem sempre destruir os países comunistas
Fora do comunismo, todos os indivíduos e países são egoístas; apenas no comunismo existe um verdadeiro altruísmo
O multilateralismo e o internacionalismo são estratégias a serem empregadas se e enquanto forem úteis
A paz internacional é um objetivo verdadeiro, a ser atingido por meio do multilateralismo e do internacionalimso
A paz internacional é um objetivo verdadeiro, a ser atingido por meio do multilateralismo e do internacionalimso
Utiliza o equilíbrio de poder para obter a paz
“Britânicos”: utilizam o equilíbrio de poder para obter a paz; a paz é sempre instável, portanto
Católicos: a verdadeira paz é a instituída e regulada pela igreja e pelo papa
Neoliberais: a paz é uma conseqüência natural da diminuição radical do Estado e da substituição da política pela economia
Evangélicos: a única paz possível é a criada pela própria seita; em relação a todos os demais a postura é de confronto ou, pelo menos, reprovação e rejeição
A paz é sempre a morte do “espírito”; a nação revela-se e afirma-se por meio da guerra
O equilíbrio de poder é aceito apenas temporariamente; a única paz aceitável é a que subordina todas as demais nações à nação do político
O multilateralismo e o internacionalismo são recusados e vistos como defendidos por traidores e conspiradores
15)         Igualdade
Basicamente, um mito metafísico destinado a abolir estruturas sociais
Utilizada por juristas e propagandistas para obter o poder
Conceito que legitima os despotismos
O desenvolvimento social gera diferenças e desigualdades
Mas: do ponto de vista jurídico, deve ocorrer a igualdade perante a lei
Nas escolas, as classes sociais devem assistir em conjunto às aulas para terem a mesma formação e compartilharem valores e ideias (permitindo assim a fraternidade e a atuação do poder Espiritual)
É o objetivo maior do comunismo
Entendida em todos os sentidos possíveis: de classe, de status, de riqueza, de sucesso individual
Na busca da igualdade não se hesita em cometer crimes (expurgos, “revoluções culturais” etc.)
A despeito do discurso, estabelece uma distinção brutal entre governantes e governados
É o objetivo maior do socialismo
Entendida basicamente como igualdade de riqueza e de status, aceita a todavia a igualdade de condições
Igualdade perante a lei
Igualdade na escola
É o objetivo maior do Welfare
Entendida basicamente como igualdade de riqueza e de status, aceita a todavia a igualdade de condições
Igualdade perante a lei
Igualdade na escola
Eventualmente pode aceitar “ações afirmativas”
É indiferente às noções econômicas de igualdade; depende do grupo que está no poder
Igualdade perante a lei
“Britânicos”: não se incomodam com as diferenças de status, mas exigem a igualdade perante a lei
Católicos: em sua teologia, todos são iguais perante a divindade, mas na prática aceita as mais variadas desigualdades (poder, status, riqueza)
Neoliberais: rejeitam a igualdade econômica e exigem a igualdade perante a lei
Evangélicos: aceitam a igualdade nas próprias seitas e, reconhecendo a diferença em relação a todos os demais, desprezam-nos
Reconhecem as diferenças inarredáveis entre povos e nações
Na nação, todos são iguais; fora da nação, todos são diferentes e inferiores
16)         Indivíduos e individualidades
O individualismo é um erro intelectual, moralmente injustificável
O individualismo é a secularização e a transposição para a Sociologia da igualdade dos crentes perante a divindade protestante
O individualismo consagra o egoísmo, a secura afetiva, a esterilidade intelectual, o absolutismo filosófico, as concepções parciais
Mas: a Humanidade é um ser composto, cujos elementos são seres separados – em última instância, os indivíduos
Assim, da mesma forma que as famílias, as pátrias, o poder político e a riqueza, devem os indivíduos ser consagrados e regulados, ou seja, responsabilizados
Os indivíduos são os agentes da Humanidade e realizam o presente
As crenças individuais devem sempre ser respeitadas
Os indivíduos não existem, exceto os grandes líderes comunistas
Os indivíduos são uma elaboração ideológica burguesa
No comunismo, quem afirma-se como individualidade comete o crime de lesa-revolução
No comunismo ideal, na ausência de classes e de Estado, haverá apenas indivíduos; eles serão alegres diletantes de tudo e não haverá obrigações nem responsabilidades
A perspectiva social deve prevalecer, mas os indivíduos são largamente respeitados
A perspectiva social deve prevalecer, mas os indivíduos são respeitados
A lógica própria ao Welfare tende a desconsiderar as motivações individuais e a tirar a responsabilidade individual por suas ações
Basicamente o centro constitui-se de indivíduos e individualidades renomados
“Britânicos”: os indivíduos são o valor político por excelência; não há sociedade, embora a tradição confira um caráter social aos indivíduos
Católicos: na medida em que são católicos, os indivíduos são respeitados; suas diferenças são acomodadas nas diversas vocações e ordens eclesiásticas
Estimulam o individualismo e egoísmo (sejam hedonistas ou não)
Não há “sociedade”, apenas agregados de indivíduos
Neoliberais: juntamente com as empresas, os indivíduos são as únicas unidades existentes
Evangélicos: perante a divindade há apenas indivíduos e ambos comunicam-se direta e pessoalmente
Ambigüidade: perante a nação, os indivíduos não existem, exceto os grandes líderes; mas retoricamente há o respeito às individualidades

Referências bibliográficas sumárias

ARON, Raymond. 1999. As etapas do pensamento sociológico. 3ª ed. Lisboa: Dom Quixote.
BOBBIO, Norberto. 1989. O futuro da democracia. Uma defesa das regras do jogo. 4ª ed. São Paulo: Paz e Terra.
BOBBIO, Norberto. 2001. Direita e esquerda. Razões e significados de uma distinção política. 2ª ed. São Paulo: Unesp.
BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola & PASQUINO, Gianfranco (orgs.). 2002. Dicionário de política. 12ª ed. Brasília: UNB.
COMTE, Auguste. 1899. Apelo aos conservadores. Rio de Janeiro: Igreja Positivista do Brasil.
COMTE, Auguste. 1929. Système de politique positive ou traité de Sociologie instituant la Religion de l’Humanité. 4ème ed. 4 v. Paris: Larousse.
DELLA CAVA, Ralph. 1975. Igreja e Estado no Brasil do século XX: sete monografias recentes sobre o catolicismo brasileiro, 1916-64. Novos Estudos, São Paulo, n. 12, p. 5-52, abr.-jun.
DUMONT, Louis. 1985. O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco.
FERREIRA FILHO, Valter D. 2014. Economia: obstáculo epistemológico. Estudo das raízes políticas e religiosas do imaginário liberal. Rio de Janeiro: UERJ.
FERREIRA, Gabriela N. & BOTELHO, André (orgs.). 2010. Revisão do pensamento conservador. São Paulo: Hucitec.
FURET, François. 1995. O passado de uma ilusão. Ensaios sobre a idéia comunista no século XX. São Paulo: Siciliano.
GELLATELY, Robert. 2010. Lênin, Stálin e Hitler. A era da catástrofe social. Rio de Janeiro: Record.
HAYEK, Friedrich A. 2010. O caminho da servidão. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil.
LACERDA, Gustavo B. 2016. Introdução à Sociologia Política. Curitiba: Intersaberes.
LACERDA, Gustavo B. 2019. O momento comtiano: política e república no pensamento de Augusto Comte. Curitiba: UFPR.
MAINWARING, Scott. 2004. Igreja Católica e política no Brasil, 1916-1985. São Paulo: Brasiliense.
NUNES, Edson O. 1997. A gramática política do Brasil: clientelismo e insulamento burocrático. Rio de Janeiro: J. Zahar.
SARTORI, Giovanni. 1994. A teoria da democracia revisitada. 2 v. São Paulo: Ática.
STUART MILL, John. 1991. Sobre a liberdade. Petrópolis: Vozes.